Pular para o conteúdo principal

Grande Circo Social:

  • Da decência: O pai, a mãe, a vírgula, o professor;
  • Das patranhas: A política; o patrão nosso de todos os dias; as promessas. Somos todos iguais: queremos mentir também...;
  • De horrores: Na ganância, do (s) dinheiro (s), da presunção, dá fome;
  • Do conhecimento: Dos diploma$; do $tatu$, da enganação quo, fingimos que sabemos para não sermos engolidos por outro que finge saber mais;
  • Dos desejos: Do vício, da mecanização da mente, da Fé, na mercadologia, do marketing. Não é pleonasmo;
  • Das limitações:   Da novela, no futebol, da instituição da felicidade (TV e outras maneiras de comprar punhados de alegrias vãs, imaginárias);
  • Dos prazeres: da volúpia, na mesa, do ego, no sexo pago - não que exista outra forma de sexo. No alterego;
  • Interacional: Da emulação,   da supressão, da confraternização, na ambição que traz o sorriso fácil da plebe para quem paga o pão;
  • No Circo: A verdade sem rebuços: feras, palhaços, proprietários, mandatários, equilibristas, meirinhos, enjaulados ou adestrados;
  • Das Ideologias: a origem dos vícios sociais.
Nossas ações são, realmente, nossos desejos? Ou agimos para responder exclusivamente nosso meio?
Temos como direcionar este meio para atender nossos desejos?
Fazer isso é simplesmente mudar de posição. Aqui estão implícitas duas formas de querer:
O querer que cabe ao outro e o querer que o outro cabe. De qualquer forma o querer nasce da oposição ao vazio.
Qual o sentido destes quereres?
O que te apetece?
A partir da oposição a este  espaço vazio formamos nossos dias numa busca perene. Na tentativa de preenchê-los recorremos constantemente às instituições da felicidade.
Deixamos de viver para si em função do atendimento a grande roda econômica que insiste na felicidade a financiada.
É neste grande palco teatral que pensamos, tentamos, buscamos, zanzamos e fincamos os sentidos que são impregnados de vida e vontade de ser.
Estas asserções não contentam, já sabia... O certo não é saber que o certo é liquido.
É preciso ter um sentido particular e não limitar a vida a circunstâncias banais para não ser mais um produto das ambições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…