Pular para o conteúdo principal

Utópico é ser humano...

                                         A grande utopia da humanidade é se tornar humana


A vida humana só é possível com a destruição de outras formas de vida. Essa condição é aterradora se refletirmos a fundo.
A condição humana é a condição do estômago e do sexo! Isto é, na verdade a humanidade, assim como o amor e a democracia que lhe são imanências, é a maior das utopias - as duas seguintes não passam de perfume incorporado aos adornos que lhe apraz.
O que temos e aceitamos, então, é uma subumanidade dentro da moralidade (animalesca) reinventada e transformada em condição social. 
O que é mais verdade?
Os outros precisam mais de nós ou precisamos em maior grau do dos outros? Difícil saber...
A realidade é uma invenção alheia ou própria de quem a vive?
Talvez nada disso! Note que o que precede toda ação é a fome, o desejo sexual, a vontade da mutação da não condição anterior a partir do momento que estamos devidamente educados por um sistema, agora nos equivalemos a um grande organismo celular: nascendo, renascendo, fornecendo energia ao grande corpo (humanidade-sociedade), mutando, evoluindo, rejeitando organismos estranhos a nossa cultura (como um corpo rejeita um órgão diferente ao d'antanho) envelhecendo e morrendo. Somos apenas um membro deste que desde muito considera-se dono de tudo que há em seu locus.
Se o homem vive para satisfação do estômago e do seu sexo, pois é tudo muito claro: o trabalho é o novo jeito dos indivíduos organizarem suas vidas - uma diferença que chamamos de evolução diante do período em que caçávamos para sobreviver - e com ajuda das superstições e dos mitos que alicerçaram as religiões o homem passou a execrar a possibilidade da humanidade dos demais e diz-se evoluído. Pergunto em que sentido.
A realidade é um grande acaso em que fingimos dar tudo certo. O maior de todos os acasos, mas ainda assim é o meio mais seguro para a busca incessante da vida e de sua compreensão. Algumas são de fácil entendimento, pois são atribuídas a uma divindade e pronto, mas isso não é tão simples.
Ao imaginar compreender a realidade o indivíduo nada mais faz do que absorver a condição de pretensa humanidade do outro.
Seu sinônimo pode ser traduzido por intencionalidade carregada de introjeção com instintivo poder de reciprocidade (o infanto é o primeiro e maior modo de apreender o mundo e nunca o abandonamos absorver o que nos disseram nos dá a segurança de sermos aceitos). E é no grau de aceitação que são colocadas as relações sociais. Por que não podemos chamar de relações humanas? A resposta está dentro de você! Ou quem sabe nas ralações de poder entre os indivíduos. Este que é o grande mal da sociedade? Não sabemos, pois só podemos chamá-lo de sociedade.
O homem acredita tanto na sua humanidade (lat. humanu -bondoso, caridoso) que mesmo diante de sua animalidade plausível as nega baseando-se nas ralações de poder per si criadas e apoiadas na manutenção das ideologias que o estágio interrelacional propiciou, ou seja, o individuo aceita a determinada condição quando conveniente. O que somos se não sabemos o que somos? Animal ou humano? A melhor representação da vida humana é o espectro da adolescência, suas veleidades, seu prazer desmedido na simplicidade, sua determinação para o nada útil, seu desapego, sua boçalidade.
Parte de nossa bagagem só nos fora impregnadas diante das necessidades de outras realidades, só se tornam possíveis se forem cabíveis e vantajosas às realidades ou anelos alheios, em suma, o outro aprova ou não nossa realidade tão desejada.
Disso abstrai-se que o real pode ter um ponto de vista negativo ou positivo, tal como frio - quente posto - aposto, dia - noite, A realidade, como o humano também é absurdamente disforme, Proteu em suas faces mais sombrias. O visto é que a humanidade do sujeito, antes de lhe inserirem os pretextos ideológicos, já está fadada no negativismo ou no positivismo do ponto de vista endógeno e exógeno com ampla variação de percepção.
Isso tudo deveríamos chamar de humanidade! Não obstante, fechamos os olhos para qualquer entendimento que anteceda as relações sociais formalizadas (capitalismo, religião, educação e Estado) e não percebemos que existe um universo crônico dentro de nós que insistimos em não enxergar: como se usássemos antolhos, seguimos, por eles levados em alguma direção como se essa fosse extremamente satisfatória... Por que, para o que e para quem?
Quando não temos consciência da desumanidade que temos, ainda não conquistada seu avesso, vivemos plenamente o mundo dos títeres em prol das inconstâncias de outrem.
Sim! Desumanidade, pois a humanidade imposta é na prática um jogo de cena social: uma teatrocracia infundida como verdade absoluta e venerada pela vanguarda (modelo de humanidade) que se apresenta como o melhor exemplo de ser e de estar... Mas somos apenas sombras, ainda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…